BLOG

Como funcionam as investigações corporativas?

As empresas, atualmente, estão sujeitas a diversos riscos relacionados a fraudes e corrupção, assim como a conduta antiética de sua equipe de colaboradores. Neste sentido, são realizadas investigações corporativas, com o objetivo de resolver esses problemas, devolvendo a ordem para as áreas afetadas.

Quando é feita uma investigação rigorosa, analítica e independente, ela é capaz de prevenir e detectar qualquer atividade ou processo que não esteja de acordo com as políticas internas da empresa, além das leis e regulamentos. Quer saber mais informações sobre este tema? Continue nos acompanhando.

O processo de investigação corporativa

As investigações corporativas internas podem começar de diferentes maneiras. A mais comum é por meio de denúncia. De acordo com especialistas, 40% das fraudes investigadas em uma empresa podem ser identificadas após a denúncia de um funcionário ou de terceiros.

Pode também ter início depois de uma auditoria interna, algo natural em toda organização, principalmente quando se trata de fraudes financeiras, que podem ser encontradas após a revisão de pagamentos já efetuados.

Também é possível que uma investigação externa, que pode ser feita pela Polícia Federal com algum parceiro ou ex-funcionário da empresa, motive um processo interno. Até mesmo problemas com algum concorrente pode exigir uma revisão na organização.

Após receber uma denúncia ou indício de problema, é o momento de iniciar uma investigação interna de compliance, que pode ser realizada por um profissional especializado ou pela equipe da empresa.

Em seguida, é elaborado um plano de investigação com cada passo necessário para que ele se concretize. Ele deverá apresentar o motivo do processo, as hipóteses e as perguntas a serem respondidas. A partir daí, é feito o relatório dos investigadores.

Por mais simples que o processo de investigação pareça, é necessário observar alguns critérios para que ele obtenha sucesso. O primeiro é a confidencialidade, que após uma triagem, apenas os responsáveis pelos canais de denúncias e os investigadores devem saber qual é a fonte. Isso é necessário, pois, do contrário, a investigação pode colocar em risco a imagem dos denunciantes ou da própria empresa.

Outros fatores

Muitas empresas ainda acabam resistindo às investigações internas de compliance, porque acreditam que seja melhor esconder os problemas. Porém, em médio e longo prazo, essa postura tende a apresentar riscos, uma vez que a empresa se submete a sanções legais e penas, e a dados financeiros e de imagem.

O fato é que, um processo de investigação pode não ter nenhum resultado, se ficar claro que a denúncia ou o questionamento não procedem. Isso não quer dizer que ele não é válido, uma vez que só a desconfiança já é suficiente e já detecta o problema.

As investigações corporativas devem ser vistas sempre com naturalidade, de forma que não interfira na rotina da empresa. Isso poderá ser considerado um processo paralelo ao funcionamento da organização.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *