BLOG

Tipos de cimento: Conheça os principais e as suas aplicações

O cimento é um pó fino, com propriedades aglutinantes, aglomerantes ou ligantes, capaz de enrijecer quando entra em contato com a água. Em geral, mesmo depois de endurecido, ao entrar em contato com a água novamente, ele não irá se decompor. Mas, você sabia que existem diferentes tipos de cimento para o uso? Continue nos acompanhando para saber quais são, e descobrir onde são aplicados.

A imagem mostra uma mão com cimento.

Como surgiu o cimento

Os tipos de cimento que conhecemos hoje, começaram a ser desenvolvidos a partir do século XVIII, em um paralelo à Revolução Industrial e outras soluções que surgiram para revolucionar a engenharia.

Em 1786, foi criado o cimento artificial por John Smeaton, através de uma mistura resistente de calcinação de calcários moles e argilosos. Já em 1824, surgiu o cimento Portland, considerado hoje como o tipo mais utilizado no mundo.

O Portland foi desenvolvido após um experimento do construtor inglês Joseph Aspdin, que queimou argila e pedras calcária, para transformá-las em pó fino. Assim sendo, ele observou que essa mistura, ao secar, ficava dura como as pedras que eram utilizadas nas construções.

Desta forma, pode-se dizer que atualmente, as principais matérias-primas que compõem o cimento são:

● Calcário;
● Argila;
● Gesso;
● Óxidos de ferro e alumínio (usados para produzir clínquer);
● Argila pozolânica;
● Escória de fornos.

Quais são os principais tipos de cimento?

Conforme dissemos, o cimento é composto por clínquer, que é uma mistura de calcário, argila e componentes químicos que se diferencia conforme os outros materiais são adicionados.

O gesso é o que aumentará o tempo de pega, a escória é responsável por aumentar a durabilidade com sulfato (e não deve ser utilizada em grandes quantidades). Já a argila pozolância confere maior impermeabilidade ao concreto, e o calcário é adicionado para reduzir o custo do cimento.

Assim sendo, podemos dizer que as diferenças estão na composição do material, o que poderá impactar nas propriedades de resistência, na durabilidade e impermeabilidade do cimento.

Entre os principais tipos de cimento, estão:

Cimento Portland Comum CP I e CP I-S

O cimento Portland Comum CP I, recebe esse nome por não conter nenhum tipo de aditivo. Ele possui apenas o gesso, que tem como função retardar a pega do cimento, possibilitando mais tempo na aplicação. Pode ser utilizado em serviços de construção no geral, onde não são exigidas propriedades especiais.

Já o cimento Comum CP I-S é composto por até 10% de material carbonático, utilizado em massa, nas mesmas condições do CP I.

Cimento Portland CP II (NBR 11578)

Quando falamos dos tipos de cimento Portland, o cimento CP II é um dos mais fáceis de serem encontrados. Ele corresponde a quase 70% do cimento produzido no país. Envolve a adição de outros materiais em sua mistura, o que o torna um cimento com menos hidratação. Isto é, ele libera menos calor ao entrar em contato com a água.

O cimento CP II pode, então, ser aplicado em construções em geral, ou estruturas que exigem desprendimento de calor, de forma moderada ou lenta. Ou ainda, aquelas que podem ser “atacadas” por sulfato. Está classificado em resistência CP: 25, 32 e 40 Mpa.

Cimento CP-III (NBR 5.735) ou Portland de Alto-forno

Não muito diferente do cimento CP II, o cimento CP III apresenta em sua composição de 35% a 70% de escória de alto-forno. Possui maior impermeabilidade e durabilidade, além do baixo calor de hidratação, assim como a alta resistência CP. É durável e menos poroso.

Cimento CP-IV (NBR 5.736) ou Portland Pozolânico

Composto de 15% a 50% de material pozolânico. Por isso, concede estabilidade ao uso de agregados reativos, em ambientes de ataque ácido. Também apresenta baixo calor de hidratação, o que o torna recomendável em grandes volumes.

Cimento CP-V ARI (NBR 5.733) ou Portland de Alta Resistência Inicial

Devido ao seu processo de fabricação, possui alta reatividade nas primeiras horas de sua aplicação. Isto significa que ele atingirá uma resistência CP elevada, em um curto intervalo de tempo. Após 28 dias de cura, ele atinge resistências maiores que um cimento convencional.

Pode ser utilizado em obras industriais, que exigem um tempo de desforma menor. Além disso, é recomendado apenas para a fabricação de concretos.

Cimento RS (NBR 5.737) ou Portland Resistente a Sulfatos

Materiais sulfatados estão presentes em redes de esgoto, água do mar e ambientes industriais. Desta forma, seu uso é indicado para construções próximas a estes tipos de regiões.

Cimento Branco (NBR 12.989) ou Portland Branco (CPB)

Sua característica principal é a cor branca, conquistada através de matérias-primas com baixo teor de ferro e de manganês. No lugar da argila, é aplicado o caulim. São dois tipos de cimento branco existentes.

Um deles é o estrutural, para fins arquitetônicos. Vale lembrar que esse tipo de cimento não é muito comum atualmente, devido ao seu custo e a tecnologia que as tintas alcançaram.

Também deve-se ter em mente que, o cimento armazenado por mais de 90 dias, deverá ser reensaiado. Ou seja, ele pode ser rejeitado se não corresponder aos requisitos. O prazo de validade costuma ser de 90 dias, a partir da sua data de fabricação.

Agora queremos saber: você já teve alguma experiência ruim com o cimento? Você sabia que existiam esses diferentes tipos, e cada um com suas características? Conte-nos abaixo!

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *